ID– Blog

Blog do Instituto do Desenvolvimento

  • Início
    Início Aqui é onde pode encontrar todos os artigos em todo o site.
  • Categorias
    Categorias Mostra uma lista de categorias deste blogue.
  • Etiquetas
    Etiquetas Mostra uma lista de etiquetas que tem sido utilizados no blogue.
  • Membros
    Membros Procure o seu Autor favorito deste site.
  • Equipas do Blog
    Equipas do Blog Encontre a sua equipa favorita aqui.
  • Entrar
    Entrar Formulário de Entrada

Terapia Assistida por Animais – porquê?

Publicado por em em Uncategorized
  • Tamanho da fonte: Maior Menor
  • Acessos: 796
  • 0 Comentários
  • Imprimir

b2ap3_thumbnail_pastor-aleman-nios_20171215-112852_1.png

Esta área de intervenção tem na sua origem o trabalho do psicólogo norte americano Bóris Levinson, que já em 1962 começou a estudar os efeitos da presença de um cão nas suas sessões de terapia. Contudo, historicamente, há relatos bem mais ancestrais dos efeitos positivos que os animais poderão ter sobre as pessoas.
Não é difícil entender como é que uma ferramenta viva, como é o caso do cão, aliado ao processo terapêutico, pode facilitar o mesmo.

Como?

Apesar de ser fácil cair na tentação de acreditar que o animal, independentemente das suas características, ajuda simplesmente por ser um estímulo forte, diferente, e apelativo na maioria dos casos. No entanto, na sua forma profissional, a Terapia Assistida por Animais é uma área especializada e exigente. Seja qual for o animal a ser utilizado, este deverá sempre ser selecionado, deter as características necessárias para a tarefa que irá desempenhar, ser altamente familiarizado com diferentes contextos e pessoas, e treinado para a sua importante função. O temperamento é fundamental, e só deverão ser utilizados em terapia animais que estejam cómodos nos diferentes ambientes, e sempre assegurando o seu bem-​estar. Não podemos nunca esquecer que a nossa “ferramenta” é um ser vivo, senciente, e que só poderá ajudar os outros se ele mesmo se encontrar bem.
Para trabalhar nesta área é então fundamental criar uma equipa multidisciplinar, aliando os conhecimentos de terapeutas (psicólogos, terapeutas da fala, fisioterapeutas, etc), treinadores, veterinários, que em todo o momento asseguram a qualidade do serviço, não durante a sessão, mas também antes e depois.

O que diz a ciência?

Vários estudos têm sido feitos acerca do impacto da utilização de animais em diferentes tipos de intervenção, com pacientes de diferentes características.
Alguns resultados apontam para:
- Benefícios comunicacionais em crianças (mais facilidade em identificar sinais não verbais) – Stetina et. Al (2001)
- Efeitos positivos nas pessoas com diferentes problemas de saúde – Fine (2000)
- Minimiza solidão, falta de exercício físico e stress – Stanley-​Hermanns & Miller (2002)
- Diminuição de verbalizações excessivas, comportamentos abusivos e dimunuição da frequência cardíaca – Walsh et al. (1995)
- Aumenta a quantidade e qualidade das interacções – Elliot & Milner (1991)
- Aumenta a frequência de sorrisos – Batson et al. (1997)
- Melhora a auto-​estima – Beck (2003)

Então:
Nas sessões de Terapia Assistida por Animais, os animais servem de:
- Estímulo multissensorial: como seres vivos que são, os animais convertem-​se num estímulo multissensorial muito forte já que são capazes de captar a atenção e motivação do paciente, melhorando a sua cooperação e implicação na terapia ou actividade. Os animais podem induzir a um estado de relaxamento imediato, psicologicamente tranquilizador pelo simples facto de atrair e manter a nossa atenção (Katcher et al., 1983 cit. por Serpell, 2003).
- Catalizador de interacções entre humano-​animal: Segundo Bardill (1997) e Beck (2003), o animal cataliza interacções, melhora a auto-​estima, é uma excelente distracção e melhora a sensação de segurança.
- Elo de ligação: os animais servem como elo de ligação: um terapeuta que utiliza animais numa sessão de terapia pode parecer menos ameaçador e, por esta razão, o paciente pode sentir-​se mais predisposto a colaborar já que os animais, por si só, têm um efeito tranquilizador. Corson y Corson (1980) descrevem esta função como “lubrificante social”: a presença de um animal permite que o paciente se sinta confortável, o que potencia a comunicação e o estabelecimento da relação terapêutica.
- Catalizador de emoções: os animais podem desencadear comportamentos divertidos que provocam alegria e riso. Sabemos que o humor é muito eficaz na melhoria do estado mental de uma pessoa. O riso e a alegria são dois ingredientes que têm um impacto muito positivo na qualidade de vida de uma pessoa. Os animais não só trazem calma e tranquilidade a uma relação, mas também podem provocar muita alegria e risos através de situações cómicas.
- Fonte de motivação: os animais aumentam a motivação do paciente. Têm a capacidade de inspirar e motivar as pessoas para que participem em actividades construtivas ou que nunca realizaram noutros contextos (Hart, 2003). Um cão é também incitador do jogo devido à neotenia – propriedade, em animais, de retenção na idade adulta de características típicas da sua forma jovem.

Conclusão:

Esta forma de intervenção não deve ser vista como uma terapia alternativa, mas antes complementar. O processo terapêutico segue de acordo com o que o terapeuta (convencional) determinar, simplesmente utiliza uma “ferramenta” viva, que poderá facilitar o processo. Como a música na musicoterapia, ou a àgua na hidroterapia, o animal aparece como agente num processo que deverá ser sério, desempenhado apenas por profissionais acreditados.


Maria Queiroz, Psicóloga e Educadora Canina
Vinculum Animal

Última modificação em
0
URL Trackback para este artigo

Comentários

  • Sem comentários ainda. Seja o primeiro a comentar

Deixe o seu comentário

Convidado segunda, 24 junho 2019

Rua da Estrebuela, nº 106, 4580–091 PAREDES
geral@​institutododesenvolvimento.​pt
TELFS: 255 401 557 | 967 688 612 | 929 065 841

Declaração de Privacidade

© 2016 — Instituto do DesenvolvimentoJoomla Templates.